O mundo como a casa dos açorianos

A história dos Açores é também a história da emigração. Hoje, são milhares os açorianos espalhados por todo o mundo. Manuel de Medeiros é exemplo dessa história, escolhendo o Brasil para viver.

Orgulhosamente açoriano. Não há natural das ilhas de bruma que se identifique de outra forma, esteja em

que lugar do mundo estiver. Ser português é secundário, toma o lugar do passageiro e no principal permanece o sentimento de uma pertença visceral aos Açores.

Acresce a este orgulho, o facto de a Região da modernidade ser um exemplo de progresso e desenvolvimento, impulsionados por uma tão defendida Autonomia. Estipula o artigo sexto da Constituição da República Portuguesa que "os arquipélagos dos Açores e da Madeira constituem regiões autónomas dotadas de estatutos político-administrativos e de órgãos de governo próprio". Desta forma, e de acordo as vontades das gentes das ilhas, os Açores construíram-se como um ponto de passagem entre a Europa e a América, onde a tradição e o desenvolvimento se dão as mãos e ganham uma posição cada vez mais relevante no contexto nacional e internacional.


É motivo de júbilo para qualquer açoriano constatar as inúmeras atribuições e louvores concedidos às ilhas. "O segundo melhor arquipélago do mundo", nomeou a Região a revista National Geographic Traveller, elogiando o respeito pela natureza, a qualidade de vida e a sofisticação do nosso povo. Recentemente, voltou a referir os Açores como um dos melhores destinos, no mundo, para umas ideais férias de Verão. A nível interno, as políticas sociais e de investimento tomaram conta de uma agenda que quer continuar no caminho do progresso e luta contra a crise.

O passado que sustenta a nossa história não foi, no entanto, fácil. Pelo contrário, foi marcado por tempos dolorosos que obrigaram milhares de açorianos a deixar as ilhas, em busca de melhores condições de vida e perspectivas de futuro. Segundo os dados do Serviço Regional de Estatística, na década de 60 do passado século, foram registados 72.255 movimentos emigratórios dos Açores para o mundo. E o Brasil, pela afinidade histórica e cultural, pelo calor da aproximação de valores e pela partilha da língua, foi um dos países do continente americano que mais açorianos recebeu.

A Casa dos Açores de S. Paulo foi fundada por Manuel de Medeiros, em 1980, e visa " promover e divulgar a cultura, a tradição e os costumes açorianos". A sua inauguração contou com a presença do então presidente do Governo dos Açores, Mota Amaral, e desde logo afirmou-se como núcleo de reunião de açorianos que procuram relembrar e manter viva a açorianidade.

O fundador é micaelense, tem hoje 69 anos, e para ele, este foi um dos feitos de que mais se orgulha. "Construímos um prédio e conseguimos que o Dr. Mota Amaral, juntamente com a sua comitiva, viesse a S. Paulo inaugurar a estrutura. Hoje, esta é a Sede da Casa dos Açores e por isso, várias vezes fui convidado para palestras em diversas ilhas das comunidades açorianas". O micaelense é hoje um empresário de sucesso, dono de uma das maiores e mais promissoras empresas de metalurgia na América do Sul, mas diz nunca se esquecer de onde vem. O que significa para Manuel Medeiros ser açoriano? "Tudo!", afirma sem hesitar.

A tradição açoriana em terras brasileiras

A Casa dos Açores de S. Paulo promove um verdadeiro ambiente tradicional açoriano, mas a alusão às Festas do Divino Espírito Santo é a mais relevante e mobilizadora iniciativa levada a cabo pela organização desta famosa instituição. Leonilda é administradora da Casa Açores e segundo a própria, o fascínio pelos Açores ultrapassa os açorianos no Brasil. "No nosso grupo folclórico, os cantores são portugueses do Continente e os vários componentes são brasileiros." A casa conta, ainda, com a participação activa de cidadãos com mais de 80 anos que fazem questão em celebrar os Açores em todas as vertentes.

REDACÇÃO
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

 

Copyright 2011 O mundo como a casa dos açorianos. All Rights Reserved.
Joomla theme by artisteer review