Turismo

O Mergulho Técnico e o mergulho com grandes pelágicos, como o Mergulho com Tubarões Baleia e com Jamantas, poderão de futuro assumir um papel diferenciador.

Região afirma-se como um destino de mergulho.
A ilha Graciosa foi palco da III edição da Bienal de Turismo Subaquático. O encontro, realizado no passado fim de semana, reuniu vários especialistas.
Os Açores, pela sua localização e génese geológica, apresentam um grande potencial para a prática do mergulho. Esta é foi principal constatação saída da III edição da Bienal de Turismo Subaquático. A iniciativa decorreu, no passado fim de semana, na ilha Graciosa.


Organizada pela Agrapome e pela Associação Regional de Turismo (ART), a acção teve como objectivo principal contribuir para o futuro que "se anseia de desenvolvimento turístico e económico destas ilhas, no Atlântico plantadas, tendo como elemento agregador o turismo subaquático e muito particularmente o mergulho", afirmam os organizadores.

Desta forma, e apesar de toda a diversidade presente nas nove ilhas do Arquipélago, constata-se a existência de vectores comuns, de possível desenvolvimento futuro.

A flora e a fauna marinhas dos Açores aliadas à envolvente humana, constituem factores de grande riqueza, de diversidade e de diferenciação positiva no seio do mercado crescente e concorrencial do Turismo Subaquático. A este propósito, refira-se que tal facto concorreu também para que algumas das ilhas açorianas, como é exemplo a Graciosa, sejam hoje consideradas reservas da biosfera.

O mergulho costeiro e recreativo tem sido o motor de implementação deste segmento de mercado turístico. No entanto, é possível constatar que existem na Região motivos de interesse que permitem abrir novos rumos e linhas de promoção e desenvolvimento do sector.

O Mergulho Técnico e o mergulho com grandes pelágicos, como o Mergulho com Tubarões Baleia e com Jamantas, poderão de futuro assumir um papel diferenciador e valorizador do turismo subaquático.
Por sua vez, também o mergulho recreativo, com recurso à criação e usufruto de recifes e estruturas artificiais criadas, por exemplo, pelo afundamento de navios, constituem uma ferramenta a ter em conta no desenvolvimento turístico dos Açores.

Existem já alguns casos de sucesso que devem continuar a ser explorados e potenciados, sublinham alguns elementos que participaram nesta bienal. "A par da vertente lúdica que proporcionam, tais estruturas possuem também uma componente ambiental de relevante interesse pela forma como contribuem para a fixação e proliferação de vida marinha", realçam.

Por outro lado, também a criação recente de Parques Arqueológicos Subaquáticos poderão constituir uma mais valia a potenciar, face ao número de naufrágios de que há conhecimento nos Açores. Assim, refere a organização, "teremos que encarar a criação destes recifes artificiais como espaços de vida, de descoberta, de diversão mas também de história, de aprendizagem e de conhecimento. Respeitando sempre o meio ambiente envolvente".

Contudo, o crescimento do mergulho como segmento turístico, não pode nem deve descurar os aspectos ligados à segurança e aos riscos a ele associados. Deve-se, por isso, apostar sempre e cada vez mais na informação, formação, prevenção e minimização dos riscos associados a esta actividade que continua, ainda, a apresentar um elevado potencial de crescimento nos Açores. Como disse um conferencista, é preciso "nunca voltar as costas às regras de segurança", para que se possa oferecer serviços com maior qualidade.

In expressodasnove

 

Copyright 2011 Turismo. All Rights Reserved.
Joomla theme by artisteer review